Lídia Brondi, em 1992: longe da TV, ela dedicou-se ao teatro.

Suzana, a protagonista da peça “Ajuda-me a lembrar”, poderia ter sido mais uma personagem na carreira de Lídia Brondi. Em 1992, a atriz chegou a participar dos ensaios do espetáculo, mas abandonou a peça por “problemas salariais”. É o que afirmou Gugu Liberato, que atacava de colunista na revista “Amiga”.

A nota assinada por Gugu, intitulada “Bye-bye”, dizia:

“Por problemas salariais, Lídia Brondi se desentendeu com o elenco da peça ‘Ajuda-me a Lembrar’, ainda em fase de ensaios, e acabou abandonando seu papel. Em seu lugar, entra a não menos famosa Bia Seidl”.

O material foi publicado pelo Césio Vital Gaudereto, no blog “Revista Amiga e Novelas”. Para conferir a edição na íntegra, clique AQUI.

“Ajuda-me a Lembrar”, peça de Jean Claude Carriére, teve tradução de Flávio Marinho, responsável também por traduzir “Descalços no Parque”, espetáculo estrelado por Lídia Brondi, Thales Pan Chacon e Míriam Pires, em 1990.

Numa pesquisa pela internet, encontrei informações sobre a peça, mas com Lucélia Santos, e não Bia Seidl, no papel de Suzana. Lucélia já havia substituído Lídia Brondi no cinema, já que a atriz recusou protagonizar “Bonitinha, mas ordinária”, nos anos 80.

Em 1992, Lídia atuou no espetáculo “Parsifal”, ao lado de Cássio Gabus Mendes. A peça foi seu último trabalho como atriz.

Anúncios