Em 1981, a revista “Nova” publicou uma matéria muito reveladora sobre Lídia Brondi, escrita por Ana Maria Abreu. A jornalista soube criar um texto envolvente e conseguiu extrair informações bastante pessoais em sua entrevista com a atriz, então com 21 anos.

Lídia, que sempre se mostrou reservada e “defendida”, como mesmo se define nesta matéria, abriu seu coração para falar de assuntos íntimos e delicados.

Naquele ano, Lídia estava no ar, diariamente, como a atrevida repórter Mira Maia, na novela “Baila Comigo”, e dividia o apartamento com sua amiga Janda. Foi nesse ambiente que a atriz recebeu a jornalista, que soube descrever Lídia Brondi e revelar suas maduras opiniões sobre a primeira vez, o relacionamento com a igreja e seus pais, o namoro com Daniel Filho e sua busca por autoconhecimento.

Definida como uma pessoa tensa, elétrica e agitada, sempre generosa com as palavras, Lídia também falou sobre os anos de análise e a carreira (que a libertou das crises de gastrite) e sobre a sua infância:

“Fui bem moleque mesmo, de andar a cavalo, subir em árvore. (…) Infância no interior é mais infância.”

Na matéria, gentilmente enviada pelo Alperi Martins, Lídia Brondi analisa a sua maneira de conviver consigo mesma e com os outros:

“Eu diria que sou virgem subjetivamente, que eu nunca me entreguei para nada ou para ninguém. Nem para mim mesma – que é justamente o que eu estou tentando fazer agora”.

Confira a matéria na íntegra clicando nas páginas abaixo:


Anúncios