Foi contracenando ao lado do casal mais famoso da teledramaturgia – Tarcísio Meira e Glória Menezes – que Lídia Brondi mostrou ao Brasil que era uma atriz de verdade.

Na pele da rebelde Beatriz, de “Espelho Mágico”, a jovem de 17 anos foi um dos destaques da novela de Lauro César Muniz e até recebeu o prêmio de “Atriz Revelação” de 1977 (mesmo já tenho feito outros trabalhos).

A revista “Amiga”, de novembro daquele ano, trouxe a foto acima em uma página, ao lado do resumo dos acontecimentos de “Espelho Mágico”.

A matéria falava sobre a problemática Beatriz, que queria impedir o romance de sua mãe, Leila (Glória Menezes), com Diogo Maia (Tarcísio).

A página trouxe uma opinião de Lídia sobre a personagem e uma nota dizendo que a atriz não iria fazer o filme “Amada Amante”, de Bruno Barreto, porque, depois da novela, ela queria “colocar as ideias em seus devidos lugares”.

O material foi gentilmente enviado pelo Alperi Martins. Clique sobre a imagem para ampliar:

Anúncios