Em 1981, depois de ficar quase um ano longe da televisão, Lídia Brondi voltava ao ar na novela “Baila Comigo”. Na mesma época, participava da campanha de divulgação do filme “O Beijo no Asfalto”, de Bruno Barreto, rodado em 1980; e fazia um curso semanal com o grupo teatral Asdrúbal Trouxe o Trombone.

A expectativa pela estreia de Lídia Brondi nos cinemas era ainda maior por causa da cena em que Dália, sua personagem, é flagrada pelo cunhado (Ney Latorraca) durante o banho.

Thelma Reston, Lídia Brondi e Christiane Torloni, em cena do filme "O Beijo no Asfalto".

As cenas de nudez, que chegaram a assustar Lídia Brondi assim que recebeu o convite, foram feitas depois de muita conversa entre a atriz e o diretor. Para a matéria de capa da revista “Fatos e Fotos – Gente”, de junho de 1981, intitulada “A nudez proibida de Lídia Brondi”, a atriz afirmou:

“Filmamos de maneira mais natural possível e acredito que, dentro da proposta geral, a nudez do personagem é importante, mas não torna menos chocante o drama vivido pelos demais”.

A matéria em questão foi escrita pela jornalista Jussara Martins, que destacou a perfeição da performance de Lídia no papel de Dália, além de defini-la como “uma das presenças mais fortes do filme de Bruno Barreto”, baseado na obra de Nelson Rodrigues.

Foto de 1981, um ano movimentado para Lídia: novela, cinema e curso de teatro.

Jussara Martins também escreveu sobre os atributos físicos de Lídia, seu talento como atriz e apontou que a intérprete de Dália tinha “objetivos profissionais bastante realistas”.

Sobre seu trabalho, Lídia Brondi declarou:

“Evidentemente, a profissão de atriz me coloca em permanente destaque. No entanto, não me aliena da realidade que me cerca. Então, nunca posso me dar por satisfeita, porque não enxergo apenas as minhas necessidades”.

O material foi gentilmente enviado pelo Alperi Martins. As fotos deste post fazem parte da matéria. Clique nas páginas abaixo para ampliar e conferir a reportagem na íntegra:

Anúncios