O drama de Leonora (Lídia Brondi), na novela “Tieta”, teve seu ápice com a tentativa de suicídio da personagem. A gravação da cena, em março de 1990, contou com a participação de dublês. O jornal “O Globo”, de 11 de março daquele ano, publicou os bastidores da gravação. Leia a reportagem abaixo:

A tentativa de suicídio de Leonora no mar de Mangue Seco vai agitar “Tieta” esta semana. As gravações foram feitas na quarta-feira na praia de Grumari e a presença de poucos banhistas no local facilitou o trabalho do diretor Ricardo Waddington.

O ato desesperado de Leonora ocorre depois que ela conta toda a verdade sobre o seu passado para Ascânio (Reginaldo Faria), que diz não querer vê-la nunca mais. Só que Osnar e Pirica (Chaguinha) chegam a tempo de socorrê-la.

Nas cenas em alto-mar, Lídia Brondi e José Mayer foram substituídos pelos dublês da 7 em Ação Cláudia Kabelac e Walney Waldemar, que comentou:

– Ficar no mar mais de meia hora e repetir a cena duas vezes, enfrentando ondas de dois metros, não é fácil. Fôlego e preparo físico são indispensáveis. Mas isto a nossa equipe tem.

A dublê foi preparada pela cabeleireira Elenice Morais de Castro, que fez para ela uma peruca, imitando os cabelos de Lídia Brondi. Mas como Cláudia só ia gravar na água, alguém brincou, avisando: “Pode sumir tudo no mar, menos a peruca…”

Durante as duas horas de gravação, a equipe de “Tieta” foi ainda assessorada pelos salva-vidas Costa, Pellegrino, Assunção e Caldas, do Grupamento Marítimo. E depois dos dublês, foi a vez de os atores entrarem -em ação. Fingindo um ar sério, José Mayer reclamou: “Bem que o Pirica podia cuidar sozinho do salvamento para eu não ter que molhar os pés.”

Lídia Brondi, por sua vez, não estava muito animada com a idéia de entrar na água de roupa e tudo. Como Leonora anda sempre de colar de pérolas, relógio e anéis, ela comentou: “Imagina se quem vai se suicidar pensa em tirar essas coisas.” Mas na hora do mergulho o diretor tirou os acessórios da atriz, colocando-os de volta nas gravações dos primeiros socorros, para não comprometer a continuidade das cenas.

Mesmo para os atores, as gravações não foram fáceis, já que Ricardo Waddington queria perfeição e realismo na cena de salvamento. Assim, fez Lídia Brondi e José Mayer repetirem a operação de salvamento três vezes.

Enquanto tomavam coragem para enfrentar as ondas e confessando que sabiam nadar, mas não o suficiente para se garantir naquele mar, os dois conversaram animadamente com os dublês e a atriz se divertiu com a peruca que arrumaram para que Cláudia ficasse igual a Leonora na tentativa alucinada de se matar nas águas revoltas de Mangue Seco.

Confira a cena abaixo:


Fonte: Acervo TV-Pesquisa Puc-Rio.

Anúncios